Versátil e popular, a linguiça frescal sempre se faz presente nos cardápios. Gigantes frigoríficas brasileiras sabem disso e lutam pela lembrança dos operadores.

Os resultados da categoria mostram, entre as mais lembradas, um grupo destacado de quatro marcas, todas separadas por poucos pontos percentuais.

A PERDIGÃO faz valer tradição e presença para figurar como a mais lembrada da categoria, porém apenas 1,9% à frente da FRIMESA. E não muito longe aparecem, respectivamente AURORA e SADIA, que também são muito tradicionais e conhecidas.

A SEARA aparece isolada na quinta posição, um pouco mais distante, mas com margem para as outras duas marcas seguintes, CERATTI e REZENDE.

E esta é uma concorrência que ainda tem terreno a ser explorado. Afinal, mesmo sendo a linguiça frescal um produto muito popular, 34% dos operadores não conseguiram mencionar uma marca de lembrança.

Fundada em 1934 por imigrantes italianos em Videira, Santa Catarina, a líder Perdigão se tornou uma das maiores frigoríficas do Brasil, conhecida por produtos como o Chester e a linguiça frescal. Em 2009, fundiu-se com a Sadia, para criar a gigante transnacional BR Foods (BRF).

Neste processo, a nova empresa teve que limitar produtos com a marca Perdigão a pedido do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE), órgão federal responsável por chancelar a fusão. Essa limitação teve fim em 2017.