Elemento tão presente na rotina masculina, a cueca também evoluiu com o tempo, tanto no conforto quanto no design. Marcas nacionais e internacionais travam uma batalha pela preferência do público paulista.

A liderança da pesquisa é da Zorba, com 26,5% das citações, seguida pela Lupo, com 19,3%. As marcas nacionais ficaram à frente da americana Calvin Kein, que obteve 16% de citações, com a paulistana Mash em quarto, com 9,5% da preferência.

Mais atrás também foram lembradas as marcas Hering (2,5%), Polo (2%) e Duomo (1,3%). Outras respostas representam 7,4% e 15,5% não souberam responder.

Hoje são oferecidos basicamente dois tipos de modelo, o slip (mais cavado nas pernas) e o boxer. Já os tecidos são os mais variados, indo do clássico algodão às mais modernas fibras sintéticas com elastano, incluindo a fibra de bambu.

Destaque para os modelos de cueca sem costura – coisa que, pouco tempo atrás, era privilégio apenas das calcinhas.

A Zorba foi fundada na década de 1940 e lançou a cueca slip no mercado brasileiro na década de 1960, tendo grande aceitação. Desde o começo do século, é controlada pela Hanesbrands, multinacional que é a maior comerciante de vestuário básico diário do mundo e detém também marcas como Kendall, Tensor e Champion.

A Lupo, por sua vez, é ainda mais antiga. Fundada há exatos 100 anos por Henrique Lupo, no interior de São Paulo, viveu de fabricar e vender meias nos 70 primeiros anos. Apenas nas últimas décadas a empresa se reinventou e se lançou numa expansão de portfólio, com cuecas, moda íntima feminina, uma linha esportiva e de pijamas.

Já a Calvin Klein é uma grife americana criada em 1968 e que leva o nome de seu fundador. Sua cueca com logo CK já era famosa nos Estados Unidos, quando ganhou fama mundial ao aparecer em 1985 no famoso filme De Volta para o Futuro, com Michael J. Fox.

E ainda há a Mash, marca que nasceu na Zona Leste de São Paulo há quase 50 anos e ainda é uma fábrica independente que produz 100% do que comercializa. Em seu complexo industrial com mais de 25 mil metros quadrados na capital paulista, produz mais de 2 milhões de peças por mês (inclusive para a Calvin Klein) e gera mais de 800 empregos diretos.